segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Olha o balão!...

É a primeira vez que, conscientemente, vou repetir AQUI um texto que AQUI publiquei. Acontece que, nesta vagabundagem blogueira, me apareceram, AGORA as imagens que não tive quando, em Janeiro de 2010, me deu a "fúria" do relato ..."a seco" ... Aí vai tudo, neste desemprego onde a única coisa de que vou dispondo é da paciência de quem se aproxima e a vontade quase febril de dizer TUDO, tudo o que se pode dizer sem ferir ninguém  que se afaste sem dizer "água vai ...", que é o preço da liberdade jardineira ...










"D e d i c a t ó r i a

Aos ex-colegas que, anos a fio, não experimentaram andar de balão...

Um dia destes a RTP abordou o tema Assédio Moral. Percebi. Nada melhor do que tê-lo sentido. Suave, muito suave, em final de carreira.

Estávamos em ..., numa altura em que, na EXPO de Lisboa, sempre que o vento ajudava, um balão de ar quente subia à beira -Tejo com os "passageiros" que quisessem, e pagassem, para respirar, durante meia hora, duas centenas de metros acima do, hoje, Parque das Nações.

Foi isso: num dia em que, uma vez mais, se preparava para ser de tédio (de assédio moral...), tomei uma decisão: pretextei "serviço externo" e...fui andar de balão...

Quando regressei ao assédio era outro... Trazia comigo um manguito de vento que administrei até ao dia da reforma, ao fim de 48 anos quase sem necessidade de os fazer (ver "Acerca de Mim")..."

QUARTO DE DESPEJO - Diário de uma favelada (6)

"Hoje eu não vou sair porque o barraco está muito sujo. Eu vou limpá-lo. Varri o assoalho e as teias de aranha. Pentiei os meus cabelos. Os filhos foram na escola. Quando os filhos chegaram, almoçaram. O João foi levar almoço para a Vera. Eu disse para ele olhar a reportagem havia saido no Cruzeiro. E estava com medo da reportagem não ter saído e as pessoas que eu avisei para comprar o Cruzeiro dizer que eu sou pernostica.

O João quando retornou-se disse que a reportagem havia saído. Vasculhei os bolsos procurando dinheiro. Tinha 13 cruzeiros. Faltava 2. O senhor Luís emprestou-me. E João foi buscar. O meu coração ficou oscilando igual às molas de um relógio. O que será que eles escreveram a meu respeito? Quando o João voltou com a revista, li - Retrato da favela no Diário da Carolina.

Li o artigo e sorri. Pensei no reporter e pretendo agradecê-lo. (...) Troquei roupas e fui na cidade receber o dinheiro da Vera. Na cidade eu disse para os jornaleiros que a reportagem do Cruzeiro era minha. (...) Fui recebeu o dinheiro e avisei o tesoureiro que eu estava no O Cruzeiro. (... Eu estava impaciente porque havia deixado os meus filhos e na favela atualmente tem um espírito de porco. Tomei os onibus e quando cheguei ao ponto final a jornaleira disse que as negrinhas da favela havia me chingado, que estava desmoralizando a favela. Fui no parque buscar a Vera. E mostrei-lhe a revista.

Eu fui comprar meio quilo de carne. Quando voltei para a favela passei no Empório do senhor Eduardo. Mostrei a revista para os operários do Frigirífico.

O João disse-me que o Orlando Lopes, o actual encarregado da luz, havia-me chingado. E disse que eu fiquei devendo 4 meses. Fui falar com o Orlando. Ele disse-me que eu puis na revista que ele não trabalha.

- Que história é esta que eu fiquei devendo 4 meses de luz e água?

Ficou sim, sua nojenta! Sua vagabunda!

- Eu escrevo porque preciso mostrar aos políticos as péssimas qualidades de vocês. E eu vou contar ao reporter.

- Eu não tenho medo daquele puto, daquele fresco! Que nojo que eu senti do tal Orlando Lopes (...) Vim para o meu barraco. Fiz uns bifes e os filhos comeram. Eu jantei. Depois cantei a valsa Rio Grande do Sul."

MACAU: Politécnico lança licenciatura em chinês para alunos vindos de Portugal






by Ponto Final
"O IPM espera trazer entre 20 e 40 alunos finalistas do ensino secundário de Portugal para uma licenciatura feita “à sua medida”. Terminado o curso, esses alunos terão abertas as portas para continuar em Macau, rumar à China Continental ou trabalhar em empresas internacionais.
É mais um passo que o Instituto Politécnico de Macau (IPM) quer dar na formação de quadros bilingues: a instituição de ensino superior vai lançar uma licenciatura de chinês como língua estrangeira, a partir de Setembro. Os destinatários: alunos do ensino secundário de Portugal, que vão poder entrar directamente no novo curso.
“Pretendemos recrutar junto das escolas secundárias portuguesas estudantes para virem para Macau, para o IPM, e estamos a preparar para eles novos cursos. Para além dos focados nas relações económicas e comerciais, vamos lançar um novo curso em breve destinado ao ensino do chinês como língua estrangeira”, avançou Lei Heong Iok, em declarações ao Canal Macau da TDM. “Vai ser um curso feito à medida dos estudantes portugueses ou de expressão portuguesa”, acrescentou, falando à margem do Dia Aberto do Instituto Politécnico de Macau. O certame, realizado anteontem, deu a conhecer aos alunos das escolas secundárias locais a oferta de cursos do IPM para o próximo ano lectivo.
De acordo com o responsável, a primeira turma da nova licenciatura deverá ter à volta de 20 alunos: “Se vierem 40, faremos duas turmas. Isso, para nós, seria uma grande sorte”, disse, o presidente do IPM, sublinhando as vantagens que os estudantes de um curso com estas características poderão encontrar ao sair depois para o mercado de trabalho. “Poderão ficar em Macau, mas também podem depois ir para a China. Por exemplo, para Pequim, ou Xangai ou para outras províncias. Poderão ainda arranjar empregos em empresas internacionais”, prevê Lei Heong Iok.

Mais de três mil concorrem a 800 vagas

No Dia Aberto do Instituto Politécnico de Macau foram recebidas cerca de três mil inscrições. O organismo pretende em breve expandir o número de vagas nos diferentes cursos das suas cinco escolas, mas para já, o número de vagas vai manter-se nas oito centenas. O evento de anteontem serviu também para que o Instituto Politécnico de Macau desse a conhecer o seu novo campus, inaugurado nas antigas instalações da Universidade de Macau, na ilha da Taipa.
Também tiveram lugar a apresentação dos resultados do ensino e da investigação, teste de aptidões físicas, apresentação relativa ao desporto e interacção, workshops de arte, prática de enfermagem, demonstração de testes, entre outros."

domingo, 28 de fevereiro de 2016

BLOCO COM NOTAS (2): Buda Traimit (Bangkok)


É a saudade que aqui me trás hoje. Saudade de uma viagem ao diferente, mas também da camaradagem sem preço que me, que nos, levou à Tailândia, concretamente a Bangkok. Ao, entretanto, falecido Maurício Soares e a mim, quiçá, ainda mais sedento do exótico do que ele. De resto,  não é todos os dias que dois fulanos, "oriundos" do "pão-por-Deus", têm oportunidade de se fazer fotografar (ao menos isso) como que aos pés da figura enorme de um buda, todo ele a resplandecer ouro, toneladas de ouro.

Mostra-se aqui, hoje, o que, no fundo, terá sido o momento "mais rico" de uma viagem às "redondezas" de Macau - da minha/nossa lusa (posso acrescentar?...) incurável saudade.

- Eu bem lá deixei, como vários, ficar uma vela, mas ...

RESTA A SAUDADE DE UM MAURÍCIO SOARES,
grande Amigo e Companheiro nestas inesquecíveis andanças orientais ...

Repousa em paz!

FACEBOOK frases (4)


                       "... tu és tão bonita que até desfocas as fotografias ..."

TROCA DE GALHARDETES (138) - Pijamas




"Uma jovem, de 18 anos, foi passar o fim de semana na casa dos avós.

Quando chega a noite, a moça vai para o seu quarto, despe toda a roupa e deita-se na cama.
A avó entra no quarto e pergunta assustada:
- O que é isso, minha neta?!..
- Isso o quê, avó?
- Estás sem roupa... 
- Não avó, estou a usar o pijama do amor - responde a jovem.
- Extraordinário - diz a velhinha.

Chega à noite, o velhinho entra no quarto e vê a velhinha nua.
- O que é isso, mulher?
- Isso o quê, meu velho?!
- Estás aí, deitada sem roupa?
E ela responde:
- Não estou sem roupa, estou a usar o pijama do amor...
E o velho:
- Pelo menos podias tê-lo passado a ferro..."

Flores do nosso Jardim

























BAÚ COM CICERONE (8) - Cruzeiro ao Brasil *

* No Cruzeiro da Amizade, no "Infante D. Henrique", aquando do sesquicentenário do Brasil


Passagem do Equador - O Rei Neptuno, na imagem, foi o cantor Paco Bandeira



MACAU: Ex-chefia do Ministério Público em prisão preventiva


by Ponto Final
Uma ex-chefia do Ministério Público foi detida e vai ficar em prisão preventiva por suspeita da prática dos crimes de burla, participação económica em negócio, abuso de poder e falsificação de documento, adiantaram o Ministério Público (MP) e o Comissariado Contra a Corrupção. Os dois organismos não avançaram com nomes, mas fonte contactada pelo PONTO FINAL adianta que a ex-chefia em questão é o antigo Procurador do MP, Ho Chio Meng.

O antigo Procurador-Geral do Ministério Público, Ho Chio Meng, foi detido ao início da noite de sábado, depois de ter sido auscultado no Tribunal de Última Instância (TUI) ao longo do dia. Ho foi ouvido no âmbito de uma investigação criminal sobre a adjudicação de várias empreitadas, anunciaram o Ministério Público (MP) e o Comissariado Contra a Corrupção (CCAC) em comunicados à imprensa, sem no entanto se referirem ao antigo Procurador.
Nas notas enviadas às redacções, os dois organismos adiantam que uma ex-chefia do Ministério Público foi detida, tendo ficado em prisão preventiva depois de ter sido interrogada por um juiz do TUI: "Depois do primeiro interrogatório judicial e considerando a gravidade do caso, para prevenir a fuga ao julgamento, o Tribunal determinou a um arguido a medida de coação de prisão preventiva", refere uma breve nota do Ministério Público, sem identificar o visado e sem precisar o número de envolvidos.
Fonte contactada pelo PONTO FINAL identifica o arguido em questão como sendo Ho Chio Meng, ainda que a informação não tenha sido oficialmente confirmada nem pelo CCAC, nem pela Polícia Judiciária, nem pelo gabinete do secretário para a Segurança, Wong Sio Chak.
Pouco depois do Ministério Público ter emitido um comunicado em que dava conta da detenção de um antigo alto dirigente do organismo, o Comissariado Contra a Corrupção emitiu uma outra nota na qual explicava que a investigação se reporta a um caso relacionado com “antigo pessoal de direcção e chefia” do Ministério Público. O processo terá sido desencadeado na sequência de uma denúncia recebida pelo CCAC durante o ano passado.
No comunicado, o organismo liderado por André Cheong adianta ainda que foram aplicadas medidas de coacção a “alguns suspeitos”, não especificando em concreto o âmbito de aplicação das medidas. Para além da prisão preventiva, o Tribunal de Última Instância também avançou com a proibição de saída do território e a suspensão do desempenho de funções públicas para os restantes arguidos.
De acordo com a investigação, membros de direção e chefia suspeitos, "agindo em conluio com alguns administradores de empresas privadas", procederam à adjudicação – com valores inflacionados – de grande parte das obras e serviços contratados pelo Ministério Público, a favor de determinadas empresas.
Entre 2004 e 2014, refere o CCAC, as empresas envolvidas viram adjudicadas a seu favor, de forma ilegal, diversas obras e serviços contratados pelo MP, num valor superior a 167 milhões de patacas. Deste montante, os suspeitos envolvidos terão beneficiado de pelo menos 44 milhões de patacas, sublinha o organismo.
"O antigo pessoal do Ministério Público envolvido no caso e os administradores das respectivas empresas são suspeitos da prática dos crimes de burla, participação económica em negócio, abuso de poder e falsificação de documento", segundo o CCAC.
De acordo com fonte consultada pelo PONTO FINAL, para além de Ho Chio Meng, terão sido auscultados no Tribunal de Última Instância dois outros funcionários do Ministério Público. Lai Kin Ian, antigo chefe de gabinete do antigo Procurador da RAEM, estará também entre os arguidos.
Lai Kin Ian foi notícia menos de um mês após a passagem de testemunho no seio da liderança do Ministério Público, em Dezembro de 2014. Através de um despacho publicado a 21 de Janeiro de 2015 em Boletim Oficial, Ip Son Sang – que substitui Ho Chio Meng à frente dos destinos do MP – anulou as promoções do chefe e da chefe-adjunta de gabinete do seu antecessor. O despacho que oficializava as promoções tinha sido publicado cerca de um mês antes, tendo sido assinado pela mão do próprio chefe de Gabinete, Lai Kin Ian. O Ministério Público justificou na altura a anulação das promoções com o facto de o processo “não ser conforme à lei”.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

TROCA DE GALHARDETES (137) - Apartamento secreto na Torre Eiffel

1
Inaugurada em 31 de março de 1889, a Torre Eiffel é o maior símbolo da França e um dos principais monumentos da Europa. Com 126 anos, a torre de 324 metros foi construída para a Exposição Mundial de 1889 e comemorou os 100 anos da Revolução Francesa – desde então, milhões de pessoas já visitaram o local e admiraram a vista da cidade do alto.
O que pouca gente sabe (e até pro bim.bon foi novidade) é que no topo do monumento se esconde o apartamento de Gustave Eiffel, o engenheiro responsável pelo projeto da torre.
Sem o conhecimento da maioria dos parisienses da época, Gustave construiu um pequeno apartamento para si próprio bem no alto da Torre Eiffel, mais precisamente no metro 285. As poucas pessoas que sabiam – geralmente as mais ricas – ofereciam fortunas para que o engenheiro alugasse o local por apenas uma noite, mas todas as ofertas eram recusadas.
Em contraste com as vigas de aço industrial do exterior da torre, o apartamento era decorado com papeis de parede, pinturas a óleo, móveis estampados, armários de madeira e um piano de cauda, criando um espaço pequeno mas confortável. Em anexo ao ambiente, existia ainda um pequeno laboratório equipado com as ferramentas de pesquisa mais modernas da época.
O cobiçado apartamento permaneceu intocado por várias décadas, já que Gustave só o utilizava para ocasiões especiais – uma delas incluiu até uma visita do inventor Thomas Edison.
No início de 2015, a administração da Torre resolveu abrir o espaço para o público. Por isso, se você está planejando uma visita à capital francesa, não perca a chance única de vivenciar a arquitetura, interiores e história francesa em um único lugar.

Oportunidade para agradecer, uma vez mais, a quantos ex-colegas e bons amigos, reenviam
para o "nosso banco" os vossos sempre excelentes "e-mails". Tomara eu SEMPRE conseguir reproduzi-los.

TROCA DE GALHARDETES (136) - "Gato de um cabrão!..."

"Um alentejano queria livrar-se de um gato. Levou-o até uma esquina distante e voltou para casa.
Quando chegou a casa, o gato já lá estava.
Levou-o novamente, agora para mais longe. No regresso encontrou o gato calmamente em casa.
Fez isso mais três vezes, cada vez mais longe e o gato voltava sempre a casa.
Furioso pensou!!!
“ Vou lixar este gato!”
Pôs-lhe uma venda nos olhos, amarrou-o, meteu-o num saco opaco e colocou-o na mala do carro.
subiu à serra mais distante, entrou e saiu de diversas estradinhas.
Deu mil voltas... e acabou por soltar o gato no meio do mato.
Passadas uma horas, o alentejano liga para casa pelo telemóvel!
  • Tá, Maria, a porra do gato já chegou a casa?
  • Já...
  • Ainda bem, deixa-me falar com esse cabrão porque eu estou perdido!"

Mafra sem carrilhões



- O que é que fizeram a Mafra que conheci quase como era no tempo de D. João V e agora é uma sombra desse passado que li na história e confirmei presencialmente? Será que não foi capaz de suportar, por exemplo, Saramago, ou falta-lhe algum mago dos que já teve (leia-se presidente) ou o bago que já lhe encheu cofres?

Vejo-a tão só, tão triste, sem carrilhões, sem ões, feita espécie de carapau teso, quase sem a gente que lhe enchia as esplanadas ...

Afinal, quando é que começam a tocar a música cujos instrumentos têm pendurados à vista de toda a gente, como no tempo de Sua Majestade, agora feita estátua mal-parecida?...

Repensar a RTP: culinária para tesos, precisa-se


Não é que as nossas televisões sejam expressões visíveis da chamada sumptuosidade, ou que tenham mais olhos do que barriga, mas, face aos tempos que se vivem, o que, talvez com alguma ingenuidade,  mais se tem falado, é na reinvenção de um programa (semanal?) acerca, por exemplo, do aproveitamento de sobras (se as houver, claro ...), no formato daquele que, há uns anos, na RTP, ia para o ar sob a responsabilidade de Filipa Vacondeus (lembram-se?) que, se não poupava, não fazia do verbo esbanjar a sua palavra preferida.

Em suma, seja quem for, que regresse a higiene, e contenção alimentar à rica (às vezes, pobre ...) programação da RTP - ou doutro qualquer canal que ajude o Zé - e a respectiva consorte - a poupar com saúde (física e de tesouraria).


Disse.

MACAU - Maioria dos novos multimilionários fez fortuna na China


by Ponto Final

Em 2015, a fortuna de 99 milionários superou a fasquia dos mil milhões de dólares norte-americanos. Dos 99 novos mega-ricos, 90 vivem na China, em Hong Kong, em Macau ou em Taiwan.

"A maioria dos multimilionários que durante o ano passado se juntaram ao clube dos mega-ricos fizeram fortuna na República Popular da China. Pequim é a cidade do mundo com mais pessoas cuja fortuna supera os mil milhões de dólares norte-americanos, segundo uma unidade de investigação sedeada na capital económica da China, Xangai.
O estudo, elaborado pela Hurun Report Inc, detalha que entre os 99 novos multimilionários surgidos globalmente, 90 vivem na China continental, em Hong Kong, Macau e Taiwan, território que Pequim considera como uma província sua.
O contabilista britânico Rupert Hoogewerf, fundador da Hurun Report Inc, justificou o aumento do número de multimilionários no país com "os lucros obtidos por novas empresas no mercado de capitais".
A Hurun, tida como a Forbes chinesa, publica anualmente uma lista das personalidades mais ricas do mundo. No conjunto, aquela unidade de investigação calcula que existam 2.188 pessoas com uma fortuna superior a 1.000 milhões de dólares.
A mesma pesquisa indica que o país asiático ultrapassou pela primeira vez os Estados Unidos da América (EUA) em número de multimilionários, apesar do abrandamento da economia, que cresceu este ano 6,9 por cento, o valor mais baixo do último quarto de século.
Segunda maior economia mundial e nação mais populosa do mundo, com quase 1.400 milhões de habitantes, a China tem agora 568 multimilionários, ligeiramente acima do registado nos Estados Unidos da América.
No conjunto, a fortuna dos multimilionários chineses ascende a 1,4 biliões de dólares. Pequim aparece como a cidade onde vivem mais "super-ricos", um total de 100, seguida por Nova Iorque, com 95. As metrópoles chinesas de Xangai e Hangzhou, na costa leste, e Shenzhen, no sul, constam também do "top 10".
Guo Guangchang, o presidente do grupo Fosun, que comprou em Portugal a seguradora Fidelidade e a Luz Saúde, surge como o 221.º homem mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em 6,1 mil milhões de dólares. A fortuna pessoal de Guo aumentou 27 por cento, em termos homólogos, indica a Hurun Report Inc.
A China representa 10 por cento da riqueza mundial e desde o início do século o Produto Interno Bruto (PIB) chinês quintuplicou.
Apesar de a Constituição continuar a definir o país como "um Estado socialista liderado pela classe trabalhadora e assente na aliança operário camponesa", o fosso social mantém-se acima do "nível alarmante" definido pela Organização das Nações Unidas. De acordo com os critérios do Banco Mundial, cerca de 200 milhões de chineses vivem na pobreza."

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

História Contemporânea: opções pós-Estado Novo


Quando nasci, Salazar era o Dono Disto Tudo. Depois o homem fez um grande ache na cabeça e acabou por morrer. Levaram-no, cadáver, para Santa Comba Dão, que lhe deu, em local próprio, o último espaço entre nós.

Chamaram, então, um tal Marcelo, universitário ilustre disseram, e fizeram-no o novo Dono Disto Tudo.

A certa altura, chateados com "o que se estava a passar", houve, entretanto, uns militares que tomaram o Poder. Quiseram equilibrar a situação herdada, mas, distraídos ou não, em dado momento, foram onde tinham que ir e levaram Marcelo para a vizinhança da minha querida Veiga Beirão, ali ao lado das Ruínas, no Carmo, em Lisboa. Donde acabou por rumar para o Brasil, da Universidade e do Samba, que, penso, não terá experimentado.

Entretanto, passado pouco tempo, alguns dos que andavam por cá entusiasmaram-se com o Poder, quiseram que alguém dos seus fosse mesmo Dono Disto Tudo e chamaram um tal Gonçalves, que, veio a perceber-se, se zangava muito...

Surgiram, entrementes situações novas e novos notáveis (cito de cor: um tal Costa, um Ramalho, um Silva) enquanto, também,  Donos Disto Tudo, com palavras bonitas p'ró povo (podem, aliás, ler-se na bibliografia produzida).

Fala-se agora (cada um foi esgotando os tempos de antena que lhe deram) num Professor vindo da Universidade, que ainda não prometeu nada. E é de um homem assim que, enquanto cidadão, eu, pessoalmente, gostaria de ver em acção, enquanto tento prosseguir neste caminho de não chamar nomes feios a ninguém. Do que, sei-o entretanto, há quem não goste. Mas o banco é meu e ...Paciência: política NÃO! Só forçado (já houve quem tentasse, mas achei a tentativa idiota e, ditos em surdina uns desabafos, cá vou: ruadojardim7, etc). Boa noite!

Saúde: aprender com a PDI

Código PDI:

Consultados médicos/médicas de boa fama a propósito de uma afirmada, reafirmada (sempre a mesma ou parecida) dor, a resposta, depois de exames e exames dos exames, foi sempre a mesma: "NADA A FAZER", ouviu-se.

Lido o relatório, relido o relatório, lá estava ... por outras palavras: PDI (puta da idade), como se diz, baixinho, em linguagem de autocarro, por exemplo. 

Acontece, entretanto, que é preciso estar atento e não confundir dores que podem não ter a ver com simples descalcificações. De modo que, o combinado, testemunhei, caso apareça a dor, é o seguinte (pedagogicamente se refere. Foi tema de banco de jardim):

- se for idêntica à correspondente ao desgaste ósseo, em vez de ai, diz-se PDI, e ninguém se mexe;

- se for diferente da habitual, e se puder, soltar um simples AI, ou um PORRA, logo ali se fica a saber que a queixa não tem PDI na génese ... 

No fundo, tudo para que envelhecer, não sendo uma alegria, seja coisa variada na expressão oral ...

A verdade é que se aprende muito aqui no banco ... Até a brincar com a política e outras descalcificações, por exemplo.

TROCA DE GALHARDETES (135) - Restaurante francês "SEM ESPERA"

A incrível animação num restaurante francês com projector acima das mesas para distrair os clientes enquanto esperam.



Acesse:





                                https://www.youtube.com/watch?v=GZcT9rodQIQus

Ler em papel para escrever em digital, SE ...

"... A Feira do Livro de Lisboa foi considerada um sucesso, mas não chegou para contrariar a crise (...). Vendas de livros caem 50 mil/mês. Em 2012, portugueses compraram menos um milhão de livros e o negócio valeu 149 milhões, uma perda de 15 milhões. Tendência mantém-se este ano. O mercado livreiro continua a sofrer as consequências da crise e no primeiro semestre de 2013 foram vendidos menos 300 mil exemplares (excluindo manuais escolares), uma diminuição de 5% face aos mesmos meses do ano transato. Ou seja, os portugueses compraram menos 50 mil livros por mês. No total, foram vendidos 5,8 milhões de unidades, revelam os números da GfK Portugal, que reflectem uma cobertura estimada entre os 75% e os 80% das vendas do mercado nacional de livros não escolares. Neste período, as editoras facturaram 62 milhões de euros, uma diminuição de aproximadamente dois milhões. A quebra surge apesar de um balanço positivo da Feira do Livro de Lisboa, que recebeu mais de 500 mil visitantes, mais 10% do que em 2012, e um novo recorde, revelou a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). A responsável pela organização do evento referiu ainda que também as vendas "aumentaram face ao ano passado", com alguns "editores a afirmarem, a uma semana da feira terminar, ter superado as vendas da última edição". 
Contudo, a não realização da Feira no Porto poderá explicar parte da quebra. A tendência de perda já tinha sido verificada em 2012, quando o mercado livreiro vendeu menos um milhão de unidades. No total, no ano passado foram comprados 13,65 milhões de livros, com um volume de negócios superior a 149 milhões de euros. Um montante que representa uma quebra de 9% (mais de 15 milhões) face a 2011 (...)"

"Isto" escreveu-se na imprensa diária, escreve-se, nos "últimos tempos", ou escreve-se sempre que, por exemplo, surge uma feira do livro a agitar o assunto. Mas, de há umas décadas para cá, diria eu, não acredito que o "cenário" tenha mudado, sobretudo, para melhor: as livrarias passaram a vender tudo menos livros - ou desapareceram pura e simplesmente do cenário alfacinha, para não escrever do cenário PORCALENSE ... 
Mas não vou mais longe e olho para o que rodeia o espaço em que "todo me dou" ao abecedário: páginas amarelas, algumas; página amarelecidas, muitas (bom muitas é força de expressão que ...). Uma merda em causa própria: dúvidas, chego aqui e quase sempre as tiro ... Novidades? Bom novidades, chegam mais depressa à NET que aos netos: uma porra!

Resta (resta?) um pormenor fundamental: além do prazer de manusear papel imprenso a negro em folha branca, quase virgem, que é SUBLINHAR e voltar a sublinhar - para depois, sabe Deus quando, chegar aqui e poder afirmar DO LIDO, O SUBLINHADO, como resultado de uma leitura, de duas, de três - e, por essa via, devidamente datada, conhecer-se a si próprio, enquanto leitor, na eventual diversidade dos sublinhados feitos ... Isto é, de uma forma gráfica, registar (datadas) as opiniões pessoais assinaladas de forma graficamente diferente, acerca do mesmo assunto, para uma análise pessoal (e posterior) acerca do LIDO, de facto, em data anotada à margem.

O computador terá todas as hipóteses, dir-se-á. Mas também tem uma que, se usada e abusada, pode ser demolidora do SABER: come-se, mas, se a gente não se põe a pau, come-se e... e caga-se ... Com a digestão mal feita.

Escrevo com o "saber de experiência feito": se não fossem os livros que li e sublinhei, de facto, parte do que AQUI tento "exarar", não teria sido possível, por falta de suporte - repetidamente consultável, se necessário.

Bem sei que hoje tudo é comprado feito - só que, não raro, é preciso pedir depois à avó que lhe dê um jeito ... E a escola tem meninos e meninas que só sabem ver bonecos ...

QUARTO DE DESPEJO - Diário de uma favelada (5)

"Vesti os meninos que foram para a escola. Eu saí e fui girar para arrancar dinheiro. Passei no Frigorífico, peguei uns ossos. As mulheres vasculham o lixo procurando carne. E elas dizem que é para os cachorros.

Até eu digo que é para os cachorros..."

BAÚ COM CICERONE (7) - Cruzeiro ao Brasil *

* No Cruzeiro da Amizade, no "Infante D. Henrique", aquando do sesquicentenário do Brasil (sem esgotar o então fixado)





quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

TROCA DE GALHARDETES (134) - Muçul manos?

"E-mail que circula em Inglaterra


Os  Muçulmanos   não  estão   Felizes ?

. Eles não estão felizes em Gaza

· Eles não estão felizes na Cisjordânia.

· Eles não estão felizes em Jerusalém ..

· Eles não estão felizes em Israel.

· Eles não estão felizes no Egipto.

· Eles não estão felizes na Líbia.

· Eles não estão felizes na Argélia.


· Eles não estão felizes em Tunisia.

· Eles não estão felizes em Marrocos.

· Eles não estão felizes no Iémen.

· Eles não estão felizes no Iraque.

· Eles não estão felizes no Afeganistão.

· Eles não estão felizes na Síria.

· Eles não estão felizes no Líbano.

· Eles não estão felizes no Sudão.

· Eles não estão felizes na Jordânia ...

· Eles não estão felizes no Irão.       



Onde estão felizes os muçulmanos?
       

Eles estão felizes na Inglaterra.

Eles estão felizes na França.

Eles estão felizes na Itália.

Eles estão felizes na Alemanha.

Eles estão felizes na Suécia.

Eles estão felizes na Holanda.

Eles estão felizes na Dinamarca.

Eles estão felizes na Bélgica.

Eles estão felizes na Noruega.

Eles estão felizes em U.S.A.

Eles estão felizes no Canadá.

Eles estão felizes na Roménia.

Eles estão felizes na Hungria.

Eles estão felizes na Austrália.

Eles estão felizes na Nova Zelândia.



Eles estão felizes em qualquer outro país no mundo que não esteja sob um governo muçulmano.

E quem culpam eles?

· Não o Islão.
· Não a liderança deles.
· Não a si mesmo.
Culpam os países onde vivem livremente e bem.
Isso é tão verdadeiro.

A democracia é realmente boa para eles:
_ Numa democracia em que eles podem viver confortavelmente, aproveitar a alta qualidade de vida que eles não construíram e nem trabalharam para ter.

Podem manter os seus costumes, desobedecer às leis, explorar os serviços sociais, fazer paródias de nossa política e de nossos tribunais.
Geralmente, mordem a mão que os alimenta.

A questão é contraditória, paradoxal!
Eles tentam trazer o seu sistema de vida falido e querem transformar os países que os acolheram no país que abandonaram em busca de uma vida melhor.


Esta é  a verdade que não é transmitida !...

Compreende-se isto?"

TROCA DE GALHARDETES (133) - Xeque MAAT

A Arte, a Arquitectura e a Tecnologia estarão representadas, a partir do Verão de 2016, no novo museu à beira do rio Tejo...
Assim seja!



Novo museu em Lisboa



Já conhece o novo Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT) que está a ser construído em Lisboa mesmo à beira do rio Tejo? É junto ao Museu da Electricidade e trata-se também de um projecto da Fundação EDP.
As obras já estão em andamento e a inauguração está prevista para o Verão de 2016.
O projecto é da autoria da arquitecta britânica Amanda Levete e o arquitecto Pedro Gadanho será o director do futuro Museu. Gadanho exerceu durante os últimos anos o cargo de curador de arquitectura contemporânea do Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque.
O edifício terá quase três mil metros quadrados para exposições e eventos. Contará ainda com um restaurante com vista para a Ponte 25 de Abril, e será possível andar por cima do edifício. A escadaria exterior descerá até ao Tejo, criando um grande espaço público.



Nota pessoal: Sim, obrigado! O espaço onde vamos ver o Museu, como sempre acontece, tem mão d'obra anónima que, no caso, teve a ver com "O QUE É QUE ESTAVA AQUI?..." Espero "pisá-lo" TAMBÉM para lhe sentir o saber, a possibilidade e o suor que permitiu o espaço edificado que vamos admirar...

Quando Camões ainda não tinha passado pelos cuidados intensivos *

* portanto, meses antes de 1974 d.C. (no Real Gabinete Português de Leitura, no R.J.)








BAÚ COM CICERONE (6) - Cruzeiro ao Brasil *

* No Cruzeiro da Amizade, no "Infante D. Henrique", aquando do sesquicentenário do Brasil (sem esgotar o então fixado)





MACAU: Queda de mais de 10% no comércio a retalho


by PONTO FINAL










"O total de negócios dos estabelecimentos do comércio a retalho referente ao último trimestre do ano passado ascendeu a 15,59 mil milhões de patacas, o que representa um aumento de 6,8 por cento em relação aos 14,59 mil milhões de patacas registado no trimestre anterior. Comparando com o mesmo trimestre do ano anterior, no entanto, verifica-se que o montante negociado caiu 10,5 por cento, em termos anuais.
De acordo com os números do quarto trimestre de 2015, divulgados ontem pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), o segmento dos relógios e joalharia continuou a dominar no comércio a retalho com 3,37 mil milhões de patacas, representando 21,6 por cento do total negociado, isto apesar de ter sido também um dos que registaram maiores quedas (22,8 por cento), só superado pela descida do volume de negócios das lojas de calçado, que caiu 29,1 por cento. O volume de negócios de mercadorias de armazéns e quinquilharias foi o segundo mais importante, perfazendo 14,4 por cento do volume total do comércio a retalho, apesar de ter caído 11,5 por cento. Em sentido inverso, as vendas de automóveis e de vestuário para adultos aumentaram 11,7 e 11 por cento, respectivamente.
Com os números relativos ao quarto trimestre, ficam também completas as estatísticas do ano de 2015. O total de negócios dos estabelecimentos do comércio a retalho naquele ano atingiu 60,89 mil milhões de patacas, menos 10,4 por cento, comparativamente a 2014. Também em termos anuais, a venda de relógios e joalharia (13,53 mil milhões de patacas) ficou com a maior fatia (22,2 por cento do total), apesar de ter tido a pior queda relativamente ao ano anterior (menos 25 por cento de montante negociado). O segmento de mercadorias de armazéns e quinquilharias negociou 8,93 mil milhões de patacas em 2015, perfazendo 14,7 por cento do total."

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

TROCA DE GALHARDETES (132) - Na Natureza pouco se crê ...

Nunca fui filiado (a não ser no Benfica, enquanto não tomei consciência de que, no campo, não conseguia ver o jogo), nunca, em nada ( Minto: fui, sou e tentarei ser sempre sócio do Sport Lisboa e Águias do Dominguizo, mas apenas por simpatia: não sei se, quando joga (se joga), é bom ou já foi ... ZERO!)

Isto para reafirmar que, politicamente, assisto aos jogos, mas não entro em jogadas, mesmo que nunca o tentassem ser: JOGADAS.

O texto que se segue publico-o na mesma linha: chega-me directamente de Goa, com verdades para chacun. Não sei se nele se notam mais ou menos caneladas, mas, como gosto dos "fiscais de linha", lá vai ...

Que, no fim, ganhe o melhor sem irritações. Isso é que é importante. Para já, tenho na família DE SEM PRE GO. Sabiam? Já viu passar vários "filósofos".Aguardo. Aposto que ninguém (então agora), ninguém vai comentar ...

Lá vai crónica acabada de receber das proximidades do rio Mandovi:



(Antunes Ferreira, que é um simpático, mas ninguém é perfeito)





VALE MESMO A PENA LER...  Delícias (Carlos Carvalhas, 8 de Fev. de 2016)                                                                                                                                                                                                  "Ouvir ou ler um Rodrigues dos Santos, um Miguel Sousa Tavares e tantos outros sobre o Défice Estrutural , de que não fazem a mínima ideia de como se calcula , do que significa , nem do seu valor para avaliar a justeza de uma política é uma delícia. São categóricos . A ignorância é sempre atrevida e ainda mais quando estamos perante comentadores sobranceiros com desmesurado ego e arraigados preconceitos de classe .
Durante muito tempo estivemos sozinhos a afirmar que os critérios de Maastricht , não tinham qualquer valor científico , até ao dia em que um Comissário europeu afirmou claramente que os critérios de Maastricht eram "estúpidos.".. Hoje sabemos melhor como foram calculados e impostos pela a Alemanha que não era a da Srª Merkel  Pode ser que ainda se venha a verificar com o dito défice estrutural o que sucedeu com os critérios de Maastricht e então teremos os mesmos comentadores a fazerem coro com os que sempre afirmaram que tal défice é de calculo difícil , subjetivo logo conferindo poderes discricionários a quem o avalia em Bruxelas e podendo ser objectivamente um travão ao crescimento económico. E nem nos estamos a referir ao défice virtuoso de Miguel Cadilhe ... Outras delícias são as que se referem à classe média e à austeridade. Com a mesma ligeireza dizem uns que afinal a carga fiscal do novo Orçamento sobrecarrega a classe média . A abstracção " classe média " mete no mesmo saco sujeitos com rendimentos muito diferentes Mais acertado seria falar em camadas médias e é uma evidência que este Orçamento embora de forma imperfeita desagrava fiscalmente a maioria das camadas médias. O mesmo diremos daqueles que afirmam que a austeridade se mantém . As políticas do anterior governo não foram políticas de austeridade , mas sim políticas de concentração de riqueza , como sempre afirmámos e os dados sobre a distribuição do Rendimento Nacional o confirmam . No Expresso , o jornalista Santos Guerreiro que não confundo com outros do mesmo Jornal cujo ego e atrevimento também estão na razão direta da santa ignorância , afirmou este fim de semana : "Os Orçamentos do PSD/CDS quase não tinham medidas desfavoráveis às empresas , este quase não tem medidas favoráveis , a austeridade recaia sobre o Estado, agora transfere o peso para os privados o outro resignava-se ao empobrecimento este revolta-se mas ilogicamente " Não Pedro Santos Guerreiro . Deixe-se de abstracções e vá ao concreto. A dita austeridade não recaia sobre o Estado mas sobre os contribuintes , sobre os reformados sobre os utentes do Serviço Nacional de Saúde , sobre a Escola Publica , alunos e professores , sobre os trabalhadores sobre o património público , edifícios pontes escolas hospitais que viram investimentos de conservação adiados e que agora se pagam com língua de palmo. Agora a dita austeridade no essencial também não recai sobre os privados mas sobre alguns privados , os que mais têm lucrado com a crise e com as medidas ditas de austeridade mas na realidade de concentração de riqueza . Também não é verdade que o anterior governo se resignava ao empobrecimento. Não . O anterior governo promoveu-a porque esteve ao serviço dos grandes interesses e como a manta era curta ... Quem tem estado a pagar o desendividamento e a capitalização da banca e a dívida contraída para esse fim ? Esta de que o anterior governo se resignou , coitado, ao empobrecimento não lembra ao .. Já se esqueceram da carta de demissão de Gaspar... Seria este o Orçamento desejável .? Não . Este é um Orçamento contraditório e que fica aquém do que era possível mesmo na lógica da U.E. Na correção da distribuição do Rendimento Nacional com impulso no aumento da produção e da produtividade sem atingir o défice podia -se e devia-se ter ido mais longe. Um exemplo : podia-se aumentar 50 % , 60 % as ajudas aos pequenos agricultores cortando um pouco , repito um pouco nos fartos subsídios dados aos grandes , podia-se fazer pagar de forma indireta às gasolineiras mais de metade da subida e estabelecer preços especiais para a indústria e para os transportadores em fretes de exportação sem burocracias...  No entanto, é para nós uma evidência que com este Tratado Orçamental , com esta dívida , com o Euro e com esta correlação de forças a nível da UE a colonização do país vai continuar . A esta conclusão irão chegar cada vez mais portugueses e agentes políticos designadamente dentro do PS e não só . Quantos mais e mais rapidamente melhor para o povo e o país."

Seguidores