sábado, 31 de janeiro de 2015

Muitos eventos, poucos inventos

Eu sei, se calhar, todos saberíamos, se a memória não fosse curta, que, parte do que, no jardim é motivo de conversa, ou acaba de acontecer e, em regra, é grave, ou é pura repetição, eventualmente colorida do que muita gente sabe ... Paciência! O que é importante é que se fale - de política, se necessário, mas, de preferência, do que possa ser menos conhecido da maioria e acabe por parecer mera tentativa de manipulação dos utentes do(s) banco(s) jamais aqui admitida.

É claro que, umas alfinetadas no Poder, em regra, dão pano para mangas, mas nem sempre se pode estar a dizer que os governos são cambadas de bestas, que o Benfica podia ter jogado melhor, que há cada vez menos bancos (de jardim), que... que ...

Hoje, agora, AQUI, por isso mesmo, a conversa é acerca de ... de inventos. De inventos que, em muitos casos, mudaram a "nossa vida" - em casa, no trabalho, um pouco por todo o lado, muitas vezes. Para concluir, quiçá, que o HOMEM, dito comum, é muito mais esperto do que aquele que, manipulado, só sabe, por vezes, e por cá, nas manifs, mostrar bandeiras coloridas, com frases de que "ninguém" conhece a autoria ...



Por exemplo: sabem quem inventou isto?



















e isto?





















e isto?
















Não sabem, acredito. Eu também não sabia. Ficava-me pelo que se ouvia na TV ou na rádio ("...amanhã todos, em Lisboa, frente à Assembleia para ... Depois de amanhã, em massa, em Belém, p´ra ... No dia X, em Beja ... por mor de exigir mais sol na eira ..."). Coisas assim. Quase sempre.

Nunca vi ninguém, no caso, em Portugal, a prestar homenagem pública, a incentivar, por exemplo, o (re)inventor de um guarda-chuva, o (re)inventor de um preservativo, o (re)inventor de uma chucha, o (re)inventor do corta-unhas ... E assim por diante.

Isto é: vivemos, AQUI, num mundo de inventores, é verdade. Mas de inventores de TACHOS ou de supostas, concertadas, causas de interesses, não raro, obscuros, minuciosa e atempadamente combinadas em gabinetes. Nunca, por exemplo, ao ar livre, perto de um coreto onde se oiça, não "música celestial", mas o HOMEM, tal como alguém o criou. O Homem inventor do dito bem-comum. Sem, pelo menos, o pecado da pública mentira  que alguns nos apregoam de Atenas a Moscovo, de Nova Iorque a Bruxelas, dos Restauradores a S. Bento, por exemplo. No fundo, talvez tenhamos capacidades ocultas para a invenção de novos clips, que liguem, não papéis, mas pessoas. Talvez nos faltem estimulantes vestidos do branco que é síntese.

31 de Janeiro:o que a memória, por "ser curta", pode esquecer

O que sei acerca do 31 de Janeiro é menos do que o que aqui transcrevo, por isso ... transcrevo, sem o atrevimento de lhe acrescentar o que quer que seja, a não ser que 31 de Janeiro é data a não ignorar.  

Ou, vossemecê, ía à procura onde os da ruadojardim7 foram?... Se sim, pede-se desculpa. Mas, já agora, leia - e, se quiser, complete essa leitura com o que, em local próprio, está escrito e ilustrado a respeito do acontecimento.


"No dia 31 de Janeiro de 1891, na cidade do Porto, registou-se um levantamento militar contra as cedências do Governo (e da Coroa) ao ultimato britânico de 1890 por causa do Mapa Cor-de-Rosa, que pretendia ligar, por terra, Angola a Moçambique.
A 1 de Janeiro de 1891 reuniu-se o Partido Republicano em congresso, de onde saiu um directório eleito constituído por: Teófilo BragaManuel de Arriaga, Homem Cristo, Jacinto Nunes, Azevedo e Silva, Bernardino Pinheiro e Magalhães Lima.
Estes homens apresentaram um plano de acção política a longo prazo, que não incluía a revolta que veio a acontecer, no entanto, a sua supremacia não era reconhecida por todos os republicanos, principalmente por aqueles que defendiam uma acção imediata. Estes, além de revoltados pelo desfecho do episódio do Ultimato, entusiasmaram-se com a recente proclamação da República no Brasil, a 15 de Novembro de 1889.
As figuras cimeiras da "Revolta do Porto", que sendo um movimento de descontentes grassando sobretudo entre sargentos e praças careceu do apoio de qualquer oficial de alta patente, foram o capitão António Amaral Leitão, o alferes Rodolfo Malheiro, otenente Coelho, além dos civis, o dr. Al Janeiro, quando o Batalhão de Caçadores nº9, liderados por sargentos, se dirigem para o Campo de Santo Ovídio, hoje Praça da República, onde se encontra o Regimento de Infantaria 18 (R.I.18). Ainda antes de chegarem, junta-se ao grupo, o alferes Malheiro, perto da Cadeia da Relação; o Regimento de Infantaria 10, liderado pelo tenente Coelho; e uma companhia da Guarda Fiscal. Embora revoltado, o R.I.18, fica retido pelo coronel Meneses de Lencastre, que assim, quis demonstrar a sua neutralidade no movimento revolucionário.
Os revoltosos descem a Rua do Almada, até à Praça de D. Pedro, (hoje Praça da Liberdade), onde, em frente ao antigo edifício da Câmara Municipal do Porto, ouviram Alves da Veiga proclamar da varanda a Implantação da República. Acompanhavam-no Felizardo Lima, o advogado António Claro, o Dr. Pais Pinto, Abade de São Nicolau, o Actor Verdial, o chapeleiro Santos Silva, e outras figuras. Verdial leu a lista de nomes que comporiam o governo provisório da República e que incluíam: Rodrigues de Freitas, professor; Joaquim Bernardo Soares, desembargador; José Maria Correia da Silva, general de divisão; Joaquim d'Azevedo e Albuquerque, lente da Academia; Morais e Caldas, professor; Pinto Leite, banqueiro; e José Ventura Santos Reis, médico.
Foi hasteada uma bandeira vermelha e verde, pertencente a um Centro Democrático Federal. Com fanfarra, foguetes e vivas à República, a multidão decide subir a Rua de Santo António, em direcção à Praça da Batalha, com o objectivo de tomar a estação de Correios e Telégrafos.
No entanto, o festivo cortejo foi barrado por um forte destacamento da Guarda Municipal, posicionada na escadaria da igreja de Santo Ildefonso, no topo da rua. O capitão Leitão, que acompanhava os revoltosos e esperava convencer a guarda a juntar-se-lhes, viu-se ultrapassado pelos acontecimentos. Em resposta a dois tiros que se crê terem partido da multidão, a Guarda solta uma cerrada descarga de fuzilaria vitimando indistintamente militares revoltosos e simpatizantes civis. A multidão civil entrou em debandada, e com ela alguns soldados.
Os mais bravos tentaram ainda resistir. Cerca de trezentos barricaram-se na Câmara Municipal, mas por fim, a Guarda, ajudada por artilharia da serra do Pilar, por Cavalaria e pelo Regimento de Infantaria 18, sob as ordens do chefe do Estado Maior do Porto, General Fernando de Magalhães e Menezes força-os à rendição, às dez da manhã. Terão sido mortos 12 revoltosos e feridos 40 (...)"

Macau: hotelaria e casinos

Hoje, sábado, que não é dia de receber, por amabilidade, notícias directamente de Macau, via PONTO FINAL, "avança-se" na ruadojardim7 com três questões, calhando, sem resposta:

- Ainda se aluga um quarto individual de hotel por 24 horas repartidas por três clientes? Isto é, com OITO HORAS para cada um, enquanto outros dois jogam no casino durante as "suas" horas - não usadas na cama do hotel ... Ou a transição inclui uma alínea que põe termo a esse "uso e costume" em época portuga?...

- E, já agora, como é que vai o negócio do prego (penhores)? A que horas fecham, se ainda existem, esses estabelecimentos tão úteis, nomeadamente, aos casinos?

- Será que uma China igualitária não vai reformular a desigualdade resultante do estado de coisas que encontrei sempre (três vezes) que estive em Macau (português)?  Ou em Roma sê romano?... Hoje como ontem...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A gravata enquanto factor visivel de liberdade na Grécia


Esta mensagem é a cópia do texto que publiquei AQUI há uns dois anos (ler, a negro, texto a seguir a este, no mesmo "post"), mas que agora me atrevo a trazê-la de novo para este espaço com o propósito de sugerir uma eventualmente contemporânea solução aos políticos gregos que, pelos modos, insistem em não usar gravata, seja qual for o contexto em que se encontrem. Ora como a vida é feita de compromissos, o alvitre que fica - e sempre resultou, garanto - tem a ver com uma terceira via para o problema do sim ou não a esse pedaço de "protocolo" ao pescoço, acrescentando à gravata de cor ambígua da fotografia (entre o preto e o roxo) o seu, puro e simples, não uso em situações de rotina interna - e durante, claro, comícios dos camaradas de idêntica zona de objectivos políticos. Mas leia-se o que oportunamente escrevi a propósito de uma gravata que, cá em casa, mesmo fora do activo, faço questão de manter como foi usada - enquanto símbolo da não "sujeição" à ditadura de, vendo bem, um simples trapo ... Digo eu que não sou de soluções extremas.

Ia jurar que os ex-companheiros de trabalho que lêem estas mensagens nunca repararam neste meu, diria, grito de liberdade ...Sem ondas, claro. A verdade é que ainda mantenho esse, diria, documento onde a fotografia acima mostra. Porque lhe acho graça ...






"Enquanto não pôde ser de outra maneira,  gravata foi adorno protocolar, quer dizer, auxiliar de ganha-pão.

Depois, dono homem-feito, gravata, pouco a pouco, passou a significar sujeição, impecilho, caça-nódoas...

Subalternizei-a: meti-a na gaveta da secretária e só saiu a arejar em dias de condolências ou de "cocktails". Por isso é que não é preta, mas, ao longe, disfarça a cor - a dar para recepções e outros acontecimentos mundanos...

Depois, depois, saida do pescoço, gaveta com ela, à espera de nova oportunidade de se mostrar, quase negra, escura como, em qualquer caso, mandava o protocolo.

Hoje está atrás de uma porta, rodeada de livros que falam de liberdade. Vejo-a sempre que me retiro para estas conversas... E sinto-a uma espécie de colar, na cerimónia que é estar convosco."

Antologia da gente que passa (10)

in Tempo que não foi - Desafio à inevitabilidade

Eduardo Soveral















"numa luta animal
ferido na raiva do silêncio
confundido no pulsar do irreal
trago em mim o desejo imaginário
de um eco de passos que não há
de uma abstracta beleza que exijo
e não atinjo

os mortos ocultos
tropeçando nas sílabas do escuro
espiam-me sem ruído
e esperam que a denúncia das sombras
calcinadas de aventura
tombem meus intentos
no nome que inventei
e que perdi

mas este sangue não tem nome
mas este sangue não tem fim

coisas assim
são destroços
resíduos
restos
excrementos
horas tardias que ninguém escuta
justiça que sei não terminar
num perguntar de olhos
demasiado jovens para a morte

das ideias vacilantes e guardadas
nervosas inquietas exigentes
cresce um orvalho vivo
qual esforço inútil quase frágil
que não serve não deseja e não beija
o trajecto nervótico e felino
do tapete ondulado
onde principia este espanto escrito
de me sentir cada vez mais cansado
sob o peso destas lágrimas que são luz

o resto adormece e vive
aos poucos
num dizer de vozes frias e remotas
na espera de qualquer coisa
que de intolerável
espreita e se desfaz

... ... ... ... ... ... ... ... ..."

NOTA de banco (17): o sorriso amarelo



Temos lojas chinesas por todo o lado. Mal iluminadas, arrumadas pelo marçano de serviço, parcas de pessoal trabalhador, cheias do que é eventualmente diferente, mas, em regra, útil (não se sabe a partir de que eventuais e dispendiosos estudos de mercado...), abertos, às vezes, sete dias por semana, sem grandes montras, sem publicidade diária nas caixas do correio da eventual clientela - mas, em Macau, por exemplo, com o Millenium BCP a apresentar resultados positivos, diz a imprensa local (ler "post" anterior).

Será que temos que mudar a sede das nossas empresas para território chinês, ou sob sua administração, para que "o pessoal" sossegue?...

Cuidado, isto aqui está salgado ... Pelos modos, a continuar como nos últimos tempos, ou voltamos à época dos Descobrimentos ou ... ou ainda vamos ter que agradecer à China aquela "cena" de Macau chinês, para que, finalmente, parcos no gastar e no trajar, sejamos, finalmente, felizes - ainda que com um sorriso amarelo ...

Macau: Millennium BCP, aumenta lucros em 14 % face a 2013



by PONTO FINAL

"Os lucros do Millennium BCP em Macau em 2014 aumentaram um por cento para 206,9 milhões de patacas, um valor que traduz uma subida de 14 por cento face ao ano anterior.
De acordo com o balancete do banco publicado em Boletim Oficial, a sucursal de Macau do Millennium BCP, que operou entre 1993 e 2010 apenas na vertente ‘offshore’ e tem desde 2010 licença plena de operação, tinha depósitos de 11,44 mil milhões de patacas e registava um crédito a clientes de 8,61 mil milhões de patacas.
Na comparação com 2013, no ano passado os empréstimos da sucursal de Macau do BCP subiram dois por cento, enquanto os depósitos se ampliaram em 8,8 por cento.
O Millennium BCP é um dos quatro bancos portugueses a operar em Macau, sendo que a Caixa Geral de Depósitos e o BPI se dedicam apenas à vertente ‘offshore’, enquanto o Novo Banco Ásia possui também licença plena.
Em Macau opera ainda, como banco comercial e emissor de moeda, o Banco Nacional Ultramarino, do grupo Caixa Geral de Depósitos."

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Frase do ano

                               
  A FRASE DO ANO:
O jornalista Claudio Tognolli construiu a frase mais inteligente do ano:
 "  É IMPOSSÍVEL ESCREVER CORRUPTO SEM PT  "

Macau: autocensura nos media a aumentar



 by Ponto Final

Um estudo da Federação Internacional dos Jornalistas diz que a autocensura está a aumentar, mas por cá nem todos concordam com essa ideia.
Rodrigo de Matos
"A Federação Internacional dos Jornalistas (IFJ) apresentou o seu sétimo relatório anual sobre a liberdade de imprensa na China, onde são referidos os casos de Macau e Hong Kong, com um balanço negativo. O relatório fala num aumento da autocensura nos meios de informação em Macau.
No relatório “Guerra dos Media na China: Censura, Corrupção e Controlo”, que foi apresentado no Clube de Correspondentes Estrangeiros, em Hong Kong, é referido um agravar das medidas repressivas na China em 2014. Em relação a Macau, fala-se num “aumento da autocensura” e é descrito um ambiente em que os “jornalistas que se desviam da norma estabelecida são presos pela polícia e alguns académicos vêem os seus empregos suspensos ap.icas controversas."rma estabelecida sina em "os, em Hong Kong, em Macau nesta igo. a ntaçós exercerem o seu direito de falar sobre políticas controversas".
Em Macau, as conclusões do relatório foram contestadas pelo presidente da Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM).
“Este relatório é incompleto, enviesado, e não reflecte a totalidade da situação em Macau”, afirmou João Francisco Pinto, em conversa com o PONTO FINAL, lembrando que a sua associação nunca foi ouvida pelos autores do estudo.
“O que me parece mais importante é que em Macau não nos é imposta censura nem sentimos pressão”, referiu o responsável, reportando-se ao caso da imprensa em português ou em inglês no território. Já na imprensa em chinês, admite, a história pode ser outra, mas ainda assim, não acha haver razão para preocupação.
“A orientação editorial de determinado órgão de comunicação social é legítima do ponto de vista da liberdade editorial. Cada órgão é responsável depois perante os seus leitores”.
O presidente da AIPIM vai mais longe: “Estamos num ambiente de tanta liberdade que tenho de considerar esses casos referidos no relatório como insignificantes.”
Imprensa em chinês mais sujeita a pressões
A opinião é corroborada por Paulo Rego, director do semanário Plataforma Macau, que também contesta as conclusões e os métodos do estudo da IFJ. “Não reconheço, por exemplo, Jason Chao como colega de profissão. Este estudo não tem por base testemunhos jornalísticos, mas políticos”, observou. “Discordo em absoluto da tese de que haja um acréscimo de auto-censura”, disse ao PONTO FINAL.
O jornalista referiu que essas pressões se notam mais na imprensa em chinês. “É consensual que na imprensa de cultura ocidental não há censura. Nenhum de nós se queixa de pressões ilegítimas. O que sinto é, pelo contrário, falta das legítimas”, revelou, considerando que “as pressões fazem parte do exercício do jornalismo” e queixando-se de que os poderes em Macau, “por falta de competência”, muitas vezes preferem remeter-se ao silêncio do que revelar a sua visão dos assuntos.
Liberdade em perigo
O optimismo em relação à liberdade de imprensa em Macau não é tão convincente para Agnes Lam, estudiosa da Universidade de Macau especialista na situação dos media locais, que, embora também conteste as opções metodológicas do estudo da IFJ, corrobora as suas conclusões.
“Concordo que a autocensura esteja a crescer”, afirmou a académica, ouvida pelo PONTO FINAL, lembrando sobretudo o que acontece nos jornais em chinês sempre que se aproxima a eleição do Chefe do Executivo: “Alguns chegam a suprimir as suas colunas de opinião durante esse período.”
“Depois do que aconteceu com o movimento Occupy Central, em Hong Kong, temo que a liberdade venha a ser posta em causa e isso irá afectar Macau por tabela. Tudo isso irá levar a mais restrições”, referiu a professora que considera que a defesa da liberdade passa por “uma maior profissionalização” de toda a comunicação social.
“Isso é o mais importante. E a sociedade deve exigir e promover uma imprensa mais independente e neutra”, concluiu.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

"A grandeza de Deus"

       Estão imparáveis estes "enviadores" de e-mails. No caso, obrigado, Ana!

 "Uma senhora idosa muito pobre ligou para uma rádio cristã pedindo ajuda desesperada, pois estava em dificuldade.
 
  Um ateu que ouvia a emissão no carro, decidiu provocar a fé da senhora: apontou o endereço dela e pediu à sua secretária que fosse entregar um cesto cheio de alimentos na residência da velhinha instruindo a funcionária de que quando a senhora perguntasse quem tinha enviado aquilo, ela deveria responder “foi o diabo”.
 
  A secretária foi a casa da senhora e entregou o cesto. Como a senhora, visivelmente alegre, não dizia nada, a funcionária perguntou: “Não quer saber quem enviou isto?”. Calmamente, a senhora idosa respondeu: “Não importa, menina. Quando Deus manda, até o diabo obedece!”…

Papel ou "isto", enquanto suporte do que se diz e faz?

É engraçado: ao aproximar-me do computador para, breve que possa ser, uma "conversa" com quem daqui se aproxima, ou para ouvir o que o jardineiro está a dizer, lembrei-me desta coisa pataqueira: havendo mais palavras do que ideias, talvez a "solução" seja ir buscar o melhor dicionário português que esteja por aqui, perto do banco" e desatar a juntar palavras que alguma coisa há-de acontecer ... Mas ... mas, de imediato, percebi que tudo está, e é velho, na sequência, na "graça", na qualidade da respectiva localização ... Seja na NET, seja no jornal, seja no discurso oral ... 

Mas, filosofias à parte, estamos de acordo, o jornal, enquanto parente, não sei se pobre se rico, por exemplo, do papel higiénico, não é substituível pela NET. Nunca! 

Para ir direito ao fim, não é, por exemplo, concebível qualquer limpeza do humano traseiro, a um blogue. E é talvez por isso que (outro lado das coisas...) aqui escrevo. Escrevo, portanto, com garantias que anos de jornal não me deram. E aqui fica, talvez desnecessariamente, a razão por que é que, com mais de 70 anos, agora me dou a esta espécie de vidro, que, por mais asneira que escreva, não se "faz ao piso" para ser mais do que é: um espaço livre, sim senhor, embora ... embora incapaz de se prestar a ser útil a uma qualquer diarreia, por exemplo. Que aí "ganhará" o jornal ... Quer se goste, quer não ... Aí, viva o papel! 

No Diário de Notícias, por exemplo, nos anos 50 do século passado, limpava-se o cú ao jornal, tenho a certeza. Ganhava-se pouco e fosse a gente reclamar tal coisa?!... É o reclamas. Nem eu sei quantas notícias (dir-se-ía clandestinas ...) levei para casa em certas ocasiões ... Uma coisa tenho a certeza: a censura nunca me deixou ficar totalmente mal: os jornais, onde quer que fossem lidos ou usados eram, previamente, "lavados" por censores externos ... 

Isto é, para concluir: de facto, com a INTERNET, em Portugal, AGORA, os jornais em papel tendem a ser dispensáveis - embora, embora, digo eu que escrevo aqui, seja bom não os esquecer  ... Para eventuais devidos efeitos. Independentemente, com a vossa licença, da merda que publicarem.

Embora a NET ... Com o devido respeito ...


"A internet NUNCA substituirá o jornal
 O jornal impresso, como sempre o conhecemos, realmente não poderá ser substituido pela internet.

A seguir alguns dos importantes usos do jornal

Uso doméstico:
Cobrir bananas, abacate para amadurecer...
Recolher lixo.
Limpar vidros.
Dobradinho, serve para alinhar os pés da mesa.
Embrulhar louças na mudança.
Recolher a sujeira do cachorro.
Forrar a gaiola do passarinho.
Cobrir os móveis e o piso antes de pintar a casa.
Evitar que entre água por baixo da porta.
Proteger o piso da garagem quando o carro está vazando óleo.
Embrulhar o tacho do arroz para o manter quente.
Fazer palmilhas para os sapatos para os dias frios e chuvosos.
Matar moscas, baratas e demais insectos.
Na época da crise económica, usá-lo como papel higiénico, mesmo que seja um pouco duro.
 Uso educativo:
Bater no focinho do cachorro quando faz xixi dentro de casa.
Fazer barquinhos de papel.
Arrancar um pedacinho em branco para anotar número de telefone.
Usos comerciais: 
Alargar o sapato.
Rechear bolsas para conservar a forma.
Embrulhar peixes.
Embrulhar pregos na loja de produtos para construção.
Fazer um chapeuzinho para o pintor.
Cortar moldes para o alfaiate ou para a costureira.
Embrulhar quadros.
Embrulhar flores.
Uso festivo:
Acender a churrasqueira e ou a lareira.
Rechear a caixa de presente-surpresa.
Outros usos:
Para os sequestradores usarem suas letras nas cartas.
Fazer bolinhas para jogar nos companheiros de classe.
Fazer uma capinha para o machado ou foice.
Nos filmes, para os bandidos esconderem o revólver.
Para esconder-se atrás dele quando não quiser que o vejam.
Ah! E por último: para ler notícias."

 


Lá vem a Catrineta que tem muito que contar ...(39)











- Sabes, estou a ver-me grega para vender o meu peixe ...

- Grega?...

- Sim: não pagam!...

Macau: 34ª economia mais livre do mundo


by Ponto Final
"A Heritage Foudation, think-tank norte-americano com sede em Washington, classificou Macau como a 34ª economia mais livre do mundo no seu índice de Liberdade Económica para o ano de 2015.
Segundo os critérios da entidade, que considera não só os rendimentos per capita, mas também o contributo para o desenvolvimento económico e social dos países e regiões analisados, Macau obteve uma classificação de 70,3 (numa escala de 100).
Já quando enquadrada na região Ásia-Pacífico, a RAEM ficou em nono lugar entre 42 economias, logo a seguir a Hong Kong, Singapura, Austrália, Nova Zelândia, Taiwan China, Japão, Coreia do Sul e Malásia.
Nos últimos sete anos a Heritage Foudation tem analisado Macau e considerado que a sua economia é "relativamente livre".
Entre os dez indicadores incluídos no índice de Liberdade Económica estão a liberdade em termos de despesas do Governo, de investimento e a nível financeiro, entre outros."

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Fotografia da fotografia - exposição acolhida pela CMLisboa

Sem medos, mas ... põe-te a pau, Zé! 
Olha a confusão que se antevê na Grécia ...
Ouve, com atenção, o que se disse ontem, por exemplo, 
no programa PRÓS e CONTRAS, na RTP

Aristides de Sousa Mendes, presente!

2015




















Bordéus, Abril de 2004




MACAU: "Palavras Cansadas da Gramática"

Não é excessivo re citar Macau, não é excessivo recitar Macau. Daí a proposta para que, onde quer que "isto" seja lido, se tenha em conta que há, de facto, palavras cansadas da gramática. 

PONTO FINAL, com a vossa licença, presente na sugestão a partir de um simples bancodejardim com o número 7. Aqui mesmo.

Espero ler a obra - embora a gramática me canse e, no banco, haja sempre muitas palavras p´ra dizer ... 

(quase a propósito: a jovem que anda a fazer a impressão do aqui escrito, está cansadíssima. Tanto ou mais do que eu, que escrevi e me deu na "maluqueira" de querer, juntos, em papel, imagine-se, para cima dos 6000 posts publicados até 31 de Dezembro findo)... 

Mas, como diria Bocage: "Há-de sair".Embora não saiba para quê ... A não ser para me manter fiel ao cheiro das letras impressas em papel de jornal, ou parecido ...Como vai  ser o caso - de um cansado da vista com luzes a "olharem-me" ...no computador.Tão gramaticalmente correctas quanto possível.










by PONTO FINAL
Catarina Mesquita
Sob o pseudónimo Yao Feng, Yao Jingming vai lançar a sua mais recente obra “Palavras Cansadas da Gramática” esta quinta-feira, em Lisboa.
Yao Feng – o nome que traduzido à letra significa “vento de longe” – é o pseudónimo do poeta Yao Jingming que agora lança o livro “Palavras Cansadas da Gramática”.
A obra escrita em português pelo também académico, residente em Macau, será apresentada esta quinta-feira em Lisboa pela editora Gradiva.
“Trata-se de uma antologia poética com poemas antigos e alguns mais recentes. É um livro que reúne poemas e fotografias, duas formas diferentes de olhar o mundo e de revelar o que sinto, mas que se complementam”, explica Yao Feng ao PONTO FINAL.
Nas páginas do livro lêem-se pequenos poemas como “no corpo habitável pelo meu/ cabe a dimensão da alma” acompanhada de uma fotografia sem legenda. “Não quis colocar o título nas fotografias porque gostava que elas falassem por si”, explica o autor sublinhando que “nenhuma das imagens foi tiradas para ilustrar um poema em específico ou foi o ponto de partida para um poema”.
O escritor e crítico literário Fernando Pinto do Amaral será o responsável pela apresentação do livro e escreve no prefácio da obra que “a poesia não tem fronteiras”.
“Ela vive e respira sempre que um leitor se aproxima de um texto e o torna seu, passando a conhecê-lo como se conhecesse uma pessoa”, assinala. Yao Feng ri quando lhe são lidas estas palavras, identificando-se.
“Quando faço poesia prefiro que me toque em primeiro lugar. Fazer poesia é uma forma de comunicar comigo e com o meu mundo sentimental. Mas como não quero que fique tudo no meu ‘mundo pequenino’ - isso faria com que a poesia, também ela, ficasse pequena - é preciso que ela saia cá para fora e chegue a outros para se tornar grande”, conta.
DIMENSÃO DA POESIA
O lançamento do livro será precedido da palestra “Entre o imaginário e a realidade, um olhar sobre a literatura chinesa e macaense da actualidade” onde Yao Feng espera “aproveitar a ocasião para falar da literatura chinesa, visto que em Portugal pouco se sabe sobre a China e também porque há poucos escritores portugueses traduzidos para chinês”.
Tendo traduzido autores como Fernando Pessoa, Miguel Torga e outros poetas portugueses de renome, Yao Feng considera que os escritores portugueses estão a ganhar cada vez mais interesse na China Continental.
“Macau sempre desempenhou um papel de plataforma de troca não só comercial, mas também cultural. Nos anos 80, quando foi criado o Instituto Cultural de Macau, traduziram-se alguns escritores portugueses para chinês, mas continuam a haver muitas limitações na passagem desses escritos para o outro lado da fronteira”, conta. “No entanto, vários escritores já começam a ser traduzidos no Continente. Recentemente foram comprados os direitos de autor de José Saramago e, no ano passado, foi lançada a terceira edição do ‘Livro do Desassossego’ de Fernando Pessoa o que revela um interesse crescente pela literatura portuguesa e lusófona”. Paulo Coelho teve igualmente muito sucesso na China, lembra.
Porém, ainda existe uma linha que separa os leitores, defende Yao Feng. “As pessoas que lêem Saramago [na China] são as que já têm um conhecimento acumulado, uma cultura literária. Os autores chineses ficam fascinados com obras como ‘Memorial do Convento’ pelo rigor e precisão com que a história é construída, mas não é qualquer pessoa que tem a capacidade de entrar na cabeça de Saramago”.
Em contraposição a escritores de renome, Yao Feng relembra a história da camponesa Yu Xiuhua que se transformou num fenómeno recente da poesia chinesa contemporânea. “A poetisa escreve sobre temas como a amargura da vida e a aspiração ao amor verdadeiro. A poesia é muito sincera e tem um discurso fácil que faz com que chegue aos que estão habituados a ler e também aos que não estão”.
A poesia tem um “papel de compensação e um efeito mágico” na vida de Yao Feng. “Ajuda-me a viver melhor, não a nível material porque ninguém consegue sobrevive só de poesia, mas ajuda-me a tornar o mundo melhor e a descobrir mais beleza nele”, confessa.
Defensor de que o ensino dever ter um papel “sensibilizador de que a palavra pode trazer outros mundos”, Yao promete continuar a “ajudar a olhar para o mundo de uma forma mais poética”.

Do lido, o sublinhado (72) - Os gregos

in HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO, de Oliveira Matos

Emigração grega: "As causas da grande emigração grega foram a invasão dórica, a pobreza e estreiteza do solo pátrio, constituído de rochas duras, as agitações e guerras intestinas entre as classes sociais de cada cidade e das respectivas repúblicas entre si, a proximidade do mar, enfim, o espírito aventureiro grego.

(...) O grego vivia parcamente: sustentava-se de pão, figos, azeitonas, peixe e legumes. O espírito não tinha que se preocupar com as exigências do corpo e podia, portanto, dar-se livremente ao deleite espiritual das artes e da ciência, ao governo da nação e às divagações do pensamento, à cultura intelectual. (...) As repúblicas e as classes odiavam-se e guerreavam-se acintosamente".

Fora (ou não) do contexto transcrito, hoje, a Grécia vive, disse-se na RTP, do papel por baixo da porta, da corrupção e ... e, pelos modos, as classes continuam a amar-se com os dentes ... No fundo, quase nada terá mudado. Deleitam-se?...

- De tudo, o que é que os outros vão ter que pagar? - é a pergunta.

"Graecum est, non legitur"

Diz-se nesta coisa e transcreve-se aqui antes que comecem por cá (se é que não começaram já...) os aproveitamentos políticos do que se passa entre os nossos Minho e Algarve e Regiões Autónomas da Madeira e Açores:

"Significado de grego: ver-se atrapalhado.
Origem: O grego foi sempre tomado na romanidade como coisa difícil. Na Idade Média era até frequentíssimo este dito, muito usado pelos que faziam transcrições ou traduções: “Graecum est, non legitur” – “É grego, não se entende”. Ainda hoje se diz – “isto para mim é grego“, ou seja, “não percebo nada disto”.
ver-se grego não deve provir de se tornar grego no sentido de se ver como natural ou habitante da Grécia. No entanto, o mistério em que sempre se tem envolvido o que é grego, por menos acessível ao comum das gentes, decerto influiu no facto de a palavra grego se haver aplicado aos ciganos, cuja origem tanto mistério encobre, mas que se julgaram oriundos do antigo império grego.
«Escrevi, por isso, no Glossário Crítico de Dificuldades que ver-se grego deve relacionar-se com os ciganos: “Supostos estes oriundos do antigo império grego, aos ciganos se chamou gregos. A sua vida cheia de dificuldades, perigos, aventuras, perseguições, deu lugar a que se veja grego quem sofra percalços ou se veja neles. (…) a confusão de ciganos com gregos da Ásia Menor e a sua vida cheia de peripécias, de dificuldades do ciganear, tudo isto misturado é o que dará a origem do ver-se grego
É claro que isto por cá parece ter ligeiras melhoras, mas não está livre de perigo ...Longe d'isso: ainda continua nos cuidados intensivos ...Não se diz que precise de um novo Salazar, o que, em nome da liberdade, pelo menos, não seria concebível, mas Portugal tem que tomar os medicamentos todos e continuar o soro ... Sob pena de se ver grego ... Tanto mais que, acresce, por cá, HÁ GUERRA NO BLOCO operatório ...

MACAU: compromissos entre China Continental e Macau


by PONTO FINAL




"Pequim e Macau querem que os futuros suplementos do CEPA (Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Interior da China e Macau) sejam mais divulgados. Este foi um dos compromissos alcançados durante o pequeno-almoço de Chui Sai On com o ministro Gao Fucheng e a vice-ministra do Comércio Gao Yan, ontem em Pequim, noticiou a Rádio Macau.
No mesmo encontro, que serviu para abordar a cooperação de Macau com os vizinhos do Delta do Rio das Pérolas, que é também um dos grandes focos desta visita do Chefe do Executivo à capital, os dois lados concordaram num ponto: é preciso sensibilizar os empresários para a importância estratégica do CEPA. Essa será a via, defendem os governantes, para que a diversificação da economia se concretize. Uma das vias defendidas por Macau e Pequim é a aposta na Medicina Tradicional chinesa, que é uma prioridade não só para a RAEM como também para toda a China Continental.
O encontro de ontem decorreu à porta fechada e sem autorização para recolha de imagens, como tal a informação disponível aos jornalistas era a veiculada pelo Gabinete de Comunicação Social que deu ainda conta de que o Fórum para Cooperação Económica entre a China e os Países de Língua Portuguesa (PALOP) foi um dos tópicos abordados no encontro.
A ideia transmitida aos media foi que o objectivo de ambas as partes é que se devem aproveitar melhor as oportunidades criadas pelo Fórum que faz a ponte entre a China e PALOP."

Grécia: a grande aldrabice?

in Canção de Lisboa (filme português)

"– Ó Ernestina, vamos embora, que isto foi tudo uma grande aldrabice!"




Foi, depois de ter ouvido as notícias acerca das últimas horas na Grécia e o programa Prós e Contras, na RTP, a respeito das eleições em causa e, sobretudo dos dinheiros, dos envelopes gregos (por baixo da mesa) e outras coisas mais ... a síntese que ocorreu, por certo, a quem vem p'ra aqui sentar-se ...


E mais não se sabe - mas vamos, de certeza, sentir na carteira. Porque isto, afinal, tem sido tudo ... uma grande aldrabice...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Nos 80 anos de Paula Rego*

         * "É considerada a mais importante pintora figurativa da actualidade"- disse-se hoje.



Não sei se Paula Rego, que faz hoje 80 anos, é genial ou não. O que sei é que parece uma mulher determinada e profundamente conhecedora do género humano e, em particular, do universo feminino, a cujos atropelos se sente ter dedicado, dedicar, a sua obra.
                                               Parabéns, Paula Rego!






Seguidores